Amarras Soltas...

As amarras soltaram-se
deram a liberdade ao povo
que outrora conquistara mares
nunca antes navegados
hoje já resignado
olha para o passado
com amargura e saudade

Recordam-se datas
homenageando-as com foguetes
feriados cheios de pompa
relembram passados já distantes
onde verdades se escondem

Entre bandeiras hasteadas
ao vento das amarguras do povo
a conquista não acabou, nem morreu
que esta juventude desconhece
e nem entende estas conquistas

...como sendo as suas
mas apenas dos seus pais!

É preciso relembrar
liberdades conquistadas
com tanques e G3's
entre sangue não derramado
Salazar já estava morto

Marcelo e Tomás depostos
a liberdade conquistada
fruto de sacrifícios
dos nossos pais e avós
que sofreram em silêncio
nas caves da amargura
presos e torturados, sonharam
na juventude a viver em liberdade

Madrugada abençoada essa
que o povo perdeu o medo
com as fardas dos seus filhos
derrubou a ditadura
alcançou a liberdade

Nessa madrugada de Abril
só calhou a vinte cinco ao acaso
é preciso não deixar morrer
e recordar esta data... deste caso
fazei vivê-la todos os dias
A bem da liberdade

O espírito da conquista alcançada
reclamação dos nossos direitos
sempre nesta abençoada liberdade

As amarras já se soltaram…
vivemos em liberdade!
Que outras conquistas nos trarão


Christine Scwärzler, Grenzenlose Freiheit (A liberdade)

publicado por Mário Feijoca às 18:37 | comentar | favorito