Os Ciúmes Das Nossas Virtudes

Nietzsche01.gifOs Ciúmes Das Nossas Virtudes Meu irmão, és feliz se só tens uma virtude e não várias: pois passarás mais facilmente a ponte.É uma distinção ter muitas virtudes, mas é sorte bem dura; e não são poucos os que se têm ido matar ao deserto, cansados de serem combate e campo de batalha das suas próprias virtudes.Meu irmão, serão um mal a guerra e as batalhas? Mas são males necessários, e é necessário que as tuas virtudes tenham ciúmes umas das outras e estejam desconfiadas umas das outras e se caluniem entre si.Vê, cada uma das tuas virtudes é ávida de tudo possuir, cada uma quer que a totalidade da tua alma lhe sirva de arauto, quer toda a tua força na cólera, no ódio e no amor.Cada uma das tuas virtudes é ciosa das outras, e o ciúme é uma coisa terrível. As próprias virtudes podem morrer de ciúme.O que está cercado pela chama do ciúme acaba, como o escorpião, por voltar contra si mesmo o seu aguilhão envenenado.Ai! meu irmão, nunca viste uma virtude caluniar-se e apunhalar-se a si própria?O homem é um ser que deve superar-se, por isso necessitas amar as tuas virtudes - porque por elas morrerás Friedrich Nietzsche, in "Assim Falava Zaratustra"
publicado por Mário Feijoca às 18:46 | comentar | ver comentários (1) | favorito