04
Mar 05

Dia Internacional da Mulher

Dia Internacional da Mulher

Este dia Reconhecendo a igualdade na diferença, para reafirmar a dignidade da Mulher e saudar vivamente o seu papel importantíssimo na sociedade.

Dia, também, para trazer à memória de todos os homens o longo período de descriminação, de injustiças, de provação e provações a que a Mulher esteve, e está ainda em tantas situações sujeita. Mas para recordar, em contrapartida, que é na sua luta quotidiana, lado a lado com os mais lúcidos dos homens, que as mulheres vêm conquistando e vendo reconhecidos, em muitos lugares e países, os seus legítimos direitos legais.

Há, porém, ainda sítios geográficos espalhados no mundo, e também em muitos lares, em que assim não o é. Por isso, e porque mesmo entre nós se mantêm disfunções e questões sérias por resolver, este dia, é ainda dia de conquista pelos seus legítimos direitos, de reafirmação de vontades, de mostrar que é necessário permanecer atentos e despertos para uma realidade ainda apenas ambiciosa - mas sempre sonhada - por todos aqueles que acreditam, que sabem, que a mulher e o homem são, nas suas diferenças naturais iguais nas suas ambições, no seu empenhamento conjunto tornar uma sociedade sem desequilíbrios, no intuito de viverem todos em harmonia, com as suas próprias diferenças, que deixe de  marginalizar os mais desfavorecidos, pela cor, raça ou sexo. Porque apenas se trata de pessoas, só e apenas, que querem VIVER!

publicado por Mário Feijoca às 17:19 | comentar | ver comentários (2) | favorito
04
Mar 05

Compreender Nietzsche

 

nietzsche.jpg


Compreender Nietzsche

Evidentemente, não pode ser ignorado o carácter multifacetado do pensamento nietzscheano. Em muitos dos seus escritos perpassa um espírito demolidor, polémico, sofista, face ao qual nada consegue manter-se de pé. Noutros afirmam-se poderosas intuições que nos fazem entrever uma outra realidade, ou outra forma de ver esta realidade. Num lado aparece-nos um Nietzsche defensor do mais chato cientismo, explicando o superior pelo inferior dentro do mais estrito darwinismo psicológico e sociológico, noutro lança-se em construções especulativas e poéticas que nenhuma ciência que se preze poderia alguma vez legitimar. As contradições na forma, no estilo e no conteúdo abundam, pelo menos numa primeira abordagem das suas obras.

publicado por Mário Feijoca às 05:07 | comentar | ver comentários (5) | favorito