Só sexo


[Só sexo; definição:
Contacto entre duas zonas genitais, um ritual mecânico, uma maneira de dominar outra pessoa, uma mera utilização do corpo.]


Toca o telefone.
-Olá, lembras-te de mim?
-Quem?
-Aquele daquele dia...bem...por vicissitudes da vida nunca mais nos vimos.
Vicissitudes da vida uma m..., pensou ela.
-Ah, tas bom!? Q'ué feito?
-Casei-me há algum tempo mas sabes a relação arrefeceu.
-Sei, pois...
-Ultimamente tenho pensado em ti e gostava de te ver.
-Entendo. O.K. depois ligo-te.

Passados dias ela liga-lhe e ele aparece.
-Olá.
-Olá, entra.
Bebem um "copo", ele em tom provocatorio, segreda-lhe;
-Onde é que tinhamos ficado...
Ela sorri e deixa-se ir.

Mas algo não estava a correr bem, não havia clima, sei lá. Bem deixa-te de ser parva, pensou ela. Então vamos lá. Tenho que fazer isto de maneira a não me envolver. É só sexo. É só sexo. É só sexo, não me posso esquecer.
Portanto, pego-lhe até ficar duro e ele toca-me até eu ficar molhada...pronto acho que já dá. Ah! vou ajuda-lo a pôr o preservativo, assim o intervalo não é tão artificial. Pronto!
Agora mete-se aqui não é? ou ali!
Ah! Mas ele é mestre nas posições, tem tudo controlado para funcionar. E eu? O.K. Serei mestra nos gemidos.
-Ham,ham, sim, aí...mais...
E o orgasmo que não chega e porque é que a minha cabeça não pára? Porque é que isto não está a funcionar? Vou tentar beija-lo, o.k., onde é que ele anda? Portanto é encostar os labios com os dele...mmmmm...Bem, também não funciona.
Tenho que encarar isto como uma ida ao cabeleireiro, como diz uma amiga minha. Ou seja, agora será a altura do " brushing", talvez.
Oh meu deus o que é que se passa? Eu queria tanto que funcionasse. Era tudo tão mais facil!
Coitado, olha para a cara dele. Ele bem que se esforça.
Passado algum tempo, ele finge que não pode mais e termina- achei terminar uma palavra mais subtil.
Está a olhar para mim como se estivesse a olhar para a coisa mais estranha no mundo. Tá à toa! Também eu.
-Olha não leves a mal mas não apareças mais.

Realmente, algo me dizia que -queres, quero, bora- não seria assim tão simples.

Achei este poste deveres  interessante num blog que não digo o nome, e não resisti a usurpar este texto pronto está bem, foi aqui:

publicado por Mário Feijoca às 12:44 | comentar | favorito