Desespero


 Não eram meus os olhos que te olharam
 Nem este corpo exausto que despi
 Nem os lábios sedentos que poisaram
 No mais secreto do que existe em ti.
 
 Não eram meus os dedos que tocaram
 Tua falsa beleza, em que não vi
 Mais que os vícios que um dia me geraram
 E me perseguem desde que nasci.
 
 Não fui eu que te quis. E não sou eu
 Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
 Possesso desta raiva que me deu
 
 A grande solidão que de ti espero.
 A voz com que te chamo é o desencanto
 E o espermen que te dou, o desespero.
 
 
José Carlos Ary dos Santos
publicado por Mário Feijoca às 00:58 | comentar | favorito