Dialectos de Ternura

"Yoo
 Ela diz que me adora quando a noite vai a meio
 Eu sinto-me melhor pessoa, menos fraco, feio
 Passa o dedo na rasta com a mão bem suave
 Encosta o lábio no ouvido e diz-me: queres que a
 lave?
 Vamos
 para o chuveiro e ela flui com a água,
 Lava-me a cabeça, a alma e qualquer réstia de mágoa
 Diz que o meu amor lhe dá um certo calor na barriga
 É aí que eu sei que quero ser para sempre aquele
 nigga
 Que lhe mete a rir, rir, quando eu lhe faço vir
 Da terra até à lua mano, é sempre a subir...
 E somos grandes, gigantes com dez metros de altura
 Falamos vinte línguas, dialectos da Ternura
 Tipo...
 
 [Refrão:]
 Uhhh, uhhh!
 Yeah, yeah!
 Faz, faz!
 bébé (2x)
 
 Água morna em pele quente poro aberto não perfura
 a minha alma já tá nua e eu faço-lhe uma jura, jura
 Para sempre teu depois da noite volvida
 Um segundo ao teu lado já preenche uma vida
 O conceito de tempo não entra na sensação
 Aquilo que vivemos tá gravado no coração
 Segura na minha mão e continua a canção
 É a melhor que já ouvi reinventaste a paixão
 Ela diz que me adora quando o dia vai a meio
 O copo passa de meio vazio para meio cheio
 A palavra ganha vida e fala à minha frente
 Sigo calmo atrás dela deixo crescer a semente
 E Diz-me:
 
 [Refrão:]
 Uhhh, uhhh!
 Yeah, yeah!
 Faz, faz!
 bébé(4x)
 
 Em cada beijo há uma frase, em cada frase há um
 Verso
 Em cada verso há um lado do lado inverso
 De uma história que assombra a memória
 Da leveza irrisória de uma conquista notória
 Faço V de vitória, porque hoje eu sou rei
 Ao lado da rainha com que sempre sempre sonhei
 Foi por isto que esperei, em cada noite que amei
 Ou pensei que amei porque é agora que eu sei
 A razão da palavra consagrada
 Que tanta gente dá à toa em troca de quase nada
 Ela não tá espantada, pelo contrário, relaxada
 Revê-se na expressão da expressão enamorada
 E diz-me:
 
 [Refrão:]
 Uhhh, uhhh!
 Yeah, yeah!
 Faz, faz!
 bébé (10x)"
 
 uhhh, uhhh!
 yeah,yeah!


Dialectos de Ternura Da Weasel
publicado por Mário Feijoca às 01:17 | comentar | favorito